Páginas

Pesquisar este blog

segunda-feira, 27 de abril de 2015

Relacionamento Unilateral

Ou como ser infeliz acompanhado


Um poeta já disse que é impossível ser feliz sozinho, sinceramente eu discordo. Da mesma forma que é possível sim ser feliz sozinho, é mais do que possível ser infeliz acompanhado. As pessoas são diferentes, isso é fato. Tem gente que precisa de mais tempo para gostar de alguém, já outros amam a primeira vista. Alguns têm dificuldade de comunicação, ou não conseguem mesmo compreender os próprios sentimentos.

Pra deixar claro, a noção de relacionamento aqui é a mais ampla de todas, vale para qualquer envolvimento entre duas pessoas, seja ele sexual, fraternal, ou a boa e velha amizade. O primeiro erro em um relacionamento é esperar que o outro se comporte da mesma forma que você. Se eu ligo todos os dias e o outro não, isso não significa que não goste, são apenas hábitos diferentes. Mas existe uma grande distinção entre hábitos diferentes e falta de interesse.


Vários amigos dizem que sou muito paciente, estou sempre dando segundas, terceiras, quartas chances para quem está a minha volta. Sinceramente não é paciência, essa eu perco com certa facilidade, apenas sei por experiência própria que existem muitas pessoas com dificuldades em se relacionar, expressar sentimentos ou mesmo se comportar diante de certas situações, então tenho por hábito esperar que o outro se pronuncie ao invés de tirar conclusões precipitadas sobre suas ações (o que me deixa realmente irritada é quando simplesmente me ignoram sem dar um motivo, pode ignorar sabe, mas diga por que poxa!). Quantas vezes eram explicações simples ou mesmo problemas pessoais que impediam o outro de agir de forma “normal”. O problema está quando insistimos tanto, damos tantas chances, que não percebemos que o que está acontecendo não é uma dificuldade de relacionamento e sim simples falta de interesse, e aí surge o Relacionamento Unilateral.


Apenas um se dedica, se esforça, ou mesmo se importa com o que acontece, enquanto o outro está confortavelmente acomodado, até porque sabe que tem alguém que vai sempre correr atrás para resolver os problemas, para fazer “dar tudo certo”. Pode até demorar, em vários casos é preciso os olhos dos outros para enxergar, mas um dia a pessoa percebe que apenas ela vê um relacionamento ali e desiste. Sinto informar para a pessoa acomodada ou desinteressada que se por acaso ela perceber que o outro faz falta, vai continuar sozinho. Pessoas, como eu, que buscam dar chances e oportunidades para os outros quando desistem de alguém dificilmente voltam atrás. Se isso acontecer é porque alguém teve muito trabalho para reconquistar a confiança do outro.

Todo mundo tem problemas, uns mais do que os outros, e não tem nada de errado em se esforçar para estar junto de quem você gosta, somos seres complexos e nossas experiências deixam marcas, boas e ruins. Ajudar alguém a enfrentar seus medos e dificuldades é muito importante, mas preste atenção para ver se o outro está realmente interessado na sua ajuda, pois a parte triste de um relacionamento unilateral é não ser reconhecido como importante por quem você gosta, é se esforçar e ver-se ignorado o tempo todo. Dificilmente as formas de expressar o amor serão iguais, mas elas estarão lá se o interesse existir, então não deixe de investir em quem você gosta, apenas tenha certeza de que seu esforço não será em vão. 


Compartilhe nas Redes Sociais