Páginas

Pesquisar este blog

domingo, 5 de abril de 2015

Marcas que me compõem

E lá estávamos nós...
De corpo e alma, nuas. Nós duas.
Eu olhava para ela, ela para mim.
Seus olhos diziam o que minha mente pensava.
Observei o desenho do seu corpo. Cada detalhe!
Me aproximei, o suficiente para sentir meus seios tocando os dela.
Vi defeitos. Aparentes e ocultos defeitos.
Acariciei suas curvas, a desenhei com as próprias mãos e observei suas marcas. As naturais, as do tempo e as por acidente. Os sinais, as pintinhas, as estrias, as celulites e as cicatrizes. (Um dia ainda vou escrever sobre cicatrizes, considero-as uma fonte histórica inigualável)
Quando olhei sua expressão, parecia sentir-se pouco desejável.
Saí dali. Me ocultei do seu olhar.
Sentada, com os cotovelos apoiados nas coxas e a queixo entre as mãos refleti.
Lembrei de dois momentos da minha vida, um em que um homem me cobrava perfeição, exigia de mim o conserto das minhas marcas e outro que se apaixonou por cada uma delas, por representarem o que eu sou (Ah, quão maravilhoso esse outro é!)
Exatamente!
As marcas constroem a beleza que me compõe. Por que aceitar que me retalhem com olhares negativos e com exigências?
Apoio todo o cuidado em questões de saúde e bem estar. Porém, apoio ainda mais quem se ama independentemente dos padrões impostos. Se tivéssemos que seguir aquilo que nos impõem, jamais seríamos nós mesmos, mas, a reconstrução de uma sociedade, de um outro sobre nós. Viveríamos sob um julgo não pertencente a nós (como muitos hoje vivem). O que nos tornaria escravos, portanto não livres.
Escolho decidir sobre meu destino e meu corpo, e assim ser livre.
Depois de refletir sobre isso, voltei a ficar face a face com o aquele olhar.
Lá estávamos novamente.
Percebi que os defeitos antes apontados partiam do princípio das opiniões alheias. Amigos, conhecidos, chegados... que me disseram uma ou duas vezes o "que faltava para eu ser perfeita".
Que triste!
Que triste quando a perfeição para alguém está no físico.
Coisa que passa, coisa que vai, coisa que cai, coisa que morre...
Eu disse a ela: Tu és muito mais que isso. Além do físico! Faça-se lembrada pelas atitudes, pela inteligência e sabedoria.
As pessoas perfeitas são, na verdade, justamente as que possuem defeitos, cometem erros, aprendem com eles e sobrevivem a isso.
Essa é minha definição de perfeição!
O corpo faz de mim alguém interessante nas primeiras horas, depois, preciso ter algo a oferecer. Algo que é intangível.
O corpo morre, a alma vai, mas o legado fica.
De frente uma para outra sorrimos e concordamos.
E então eu disse obrigada ao meu ESPELHO e deitei-me só, contudo EM PAZ.

Compartilhe nas Redes Sociais